[ editar artigo]

8 dicas para melhorar a segurança de pequenas e médias empresas (PMEs)

8 dicas para melhorar a segurança de pequenas e médias empresas (PMEs)

Sim, as pequenas e médias empresas (PMEs) são um dos principais alvos de ataques cibernéticos. Por quê? Primeiro, as PMEs geralmente não têm orçamento para investir em segurança cibernética. Segundo, elas não se enxergam como alvos dos cibercriminosos. Terceiro, elas não sabem medir a importância de seus ativos. Estas são apenas algumas das razões pelas quais as pequenas e médias empresas se tornam alvos atraentes para os ciberataques. E também são motivos pelos quais as pequenas e médias empresas devem procurar ver a segurança digital de uma perspectiva diferente.

É necessária atenção extra ao lidar com segurança cibernética não apenas devido à importância das informações e dados que as empresas lidam, mas também devido aos danos que um ataque cibernético pode causar. No caso de pequenas e médias empresas, um ataque pode significar falência, minando a confiança de parceiros e clientes.

Ok, as PMEs não têm dinheiro, o que significa que, em geral, elas não têm uma pessoa dentro da empresa com experiência em segurança. Isto também significa que muitos gerentes se encontram no escuro, sem saber por onde começar e como começar. Pensando nisso, criamos uma lista para ajudar a melhorar a segurança das pequenas e médias empresas.

Dicas para melhorar a segurança cibernética

1. Crie uma lista de ativos e defina as permissões de acesso

A primeira dica é uma das mais importantes. Você precisa criar uma lista com todos os tipos de dados e informações manipulados pela sua empresa, os seus ativos. Depois você tem que criar grupos e definir um grau de importância. Por exemplo, proteger os dados de cartão de crédito de um cliente é uma prioridade máxima. Depois disso, você precisa definir permissões de acesso, ou seja, quem pode acessar qual tipo de dado e informação.

2. Use soluções de segurança para combater spam, phishing, vírus e malware

Atualmente, existem muitas soluções de proteção no mercado e muitas delas simplificam a administração e o gerenciamento com a intenção de que mais empresas e pessoas tenham acesso a elas. Para ter um nível mínimo de segurança, avalie a implementação em sua empresa de uma solução de Secure Email Gateway e outras soluções de antivírus e antimalware. Isto significa que você terá ferramentas para lidar com diferentes tipos de ameaças, como spamphishing, vírus e malware. Existem produtos e preços variados no mercado. Pesquise bem e escolha sabiamente.

3. Cuidado com os e-mails

Esta dica está diretamente relacionada à anterior, porque o e-mail é o principal vetor de ameaças, e por isso merece um tópico exclusivo. É muito importante que a sua empresa tenha uma política de segurança voltada para a proteção de e-mails. Uma solução de Secure Email Gateway ajudará você com isso.

4. Treine os seus funcionários

A sua empresa também deve investir em conscientização de segurança (ou security awareness). Ter funcionários treinados e que conhecem os golpes e ataques mais comuns pode reduzir as chances da sua empresa ser invadida por hackers ou sofrer uma violação de dados. Envie dicas de segurança e proteção para o seu time, promova treinamentos e, se necessário, adote uma solução de conscientização de segurança.

5. Exija senhas fortes

As senhas fracas são um dos fatores que aumentam as chances da sua empresa ser hackeada. Exija senhas longas que utilizem caracteres alfanuméricos, números, símbolos e letras maiúsculas e minúsculas. E preste muita atenção e tenha cuidado com o lugar onde as senhas são armazenadas.

6. Mantenha os sistemas atualizados e faça backup de seus dados

Sim, é simples manter o software e os computadores atualizados e fazer backup com frequência. Todo mundo fala isso na internet, certo? Mas ainda existem muitas empresas que não tratam do assunto com a devida seriedade. Lembre-se: novas versões são lançadas justamente para solucionar brechas, erros e bugs que podem afetar o seu sistema tornando a sua empresa mais vulnerável.

7. Tenha um plano de resposta a incidentes

Tenha um plano de resposta a incidentes (ou incident response plan, IR) pronto e disponível para toda a empresa. Basicamente, o plano de resposta a incidentes é um manual com informações sobre como cada área da empresa deve se comportar no caso de um ataque. O objetivo de um IR é mitigar o dano de um ataque e diminuir o estresse causado por tal situação. Você pode encontrar mais informações sobre o assunto neste post: “6 passos para construir um plano de resposta a incidentes”.

8. Considere um provedor de serviços gerenciados (Managed Services Provider, MSP)

Se você ainda não se sentir confortável em colocar as 7 dicas anteriores em ação, considere a contratação de um MSP. MSPs são empresas que remotamente assumem algumas funções de TI para o benefício de sua empresa. Por exemplo, você não tem especialistas em segurança e prefere transferir essa área para alguém com mais conhecimento. Assim, você pode contratar uma empresa que ajude na proteção dos seus dados e informações, sugerindo soluções e também as gerenciando.

Fonte: Gatefy

ConfraTech
Vicente Eduardo Troiano Neto
Vicente Eduardo Troiano Neto Seguir

Analista de marketing e redator da Gatefy. Somos uma empresa de Cybersegurança com foco em soluções rápidas e efetivas.

Ler matéria completa
Indicados para você